Essa mãe explica o porquê de não ensinar os seus filhos a dividir

Com certeza, todas nós acreditamos que ensinar a compartilhar é algo bom e que deve ser incentivado. Porém, a Dra. Laura Markham, autora do livro “Peaceful Parent, Happy Siblings”, diz o contrário. O incrível é que ela justifica isso de uma maneira válida, trazendo informações valiosas para criarmos nossos filhos e torná-los pessoas gentis e equilibradas. Vale muito a leitura!

Esse texto expõe argumentos interessantes que nos fazem reflectir sobre a criação dos filhos.



No jardim de infância do meu filho existe uma norma para todas as crianças: quando uma criança está com um brinquedo, ninguém pode tirar o brinquedo dela. Se outra criança quiser o brinquedo, ela deve esperar até ele ficar disponível.
Outra criança não pode pegar o brinquedo nem mesmo se a criança que está brincando for ao banheiro ou ao refeitório, e isso não deve ser motivo de preocupação. Essa norma é válida não apenas para o grupo do qual o meu filho participa, mas a todas as crianças da escola. Cada criança tem o direito de ficar no balanço ou no carrossel o tempo que quiser, até a vontade passar.
Posso falar com sinceridade que nunca me perguntei por que existe uma norma como essa. Simplesmente aceitei e pronto. Quando um novo pequeno integrante entra no grupo, ele pega os brinquedos dos outros durante as primeiras semanas, mas isso passa rapidamente e ele entende a norma, e nenhuma explicação é necessária. Isso vale também para a vida fora do jardim de infância.
Um exemplo: uma mãe e seu filho estavam passeando no parque e o menino trouxe com ele o caminhão favorito para brincar, mas, de repente, outro menino um pouco maior apareceu e ficou interessado no brinquedo. Ele se aproximou e pediu o caminhão. Obviamente, não demorou muito e começou a briga e a histeria de todos. A mãe do menino que quis e não pôde ter o brinquedo se aproximou e disse: «Não fique assim, a mãe desse menino não o ensinou a dividir».


Não acho que a mãe que acalmou o seu filho tenha razão, ela apenas aliviou a frustração dele passando a mensagem indireta de que ele sempre pode pegar o que quiser. Ainda não consigo entender o desejo de alguns pais de que seus filhos conquistem tudo o que desejarem.
Acontece que esse tipo de história não se limita ao parque e aos brinquedos infantis, e não são apenas as crianças que podem aprender com ela, mas também os pais. É preciso entender que o mundo não gira em volta do nosso umbigo.
Se você ainda duvida do que estou dizendo, pense no seu dia a dia. Alguns de nós nunca aprendemos a esperar. Você já pensou em furar fila? É muito comum pegar coisas sem autorização, apenas para matar a curiosidade. Claro que nem todos são assim, mas que isso acontece, acontece.




Não será fácil (principalmente quando falamos em crianças), mas já é tempo de ensinar aos nossos filhos a superar a frustração, porque essa é uma sensação que eles vão experimentar várias vezes durante a vida e nós nem sempre vamos estar ao lado para ajudar. Vamos ensinar aos nossos filhos que é possível conquistar o que queremos, mas é preciso trabalhar e ter paciência para isso.

Segundo a doutora Laura Markham:

Um dos princípios da educação na primeira infância é ensinar as crianças a se darem bem, o que normalmente remete a ensinar a compartilhar e dividir. Se você, algum dia, já viu três crianças brincando, você sabe que mesmo que haja 10 brinquedos, todas elas vão querer o mesmo, e é aí que acontece a explosão de choro quando uma das crianças não consegue pegá-lo.

Mas talvez dividir não devesse ser um objetivo da educação infantil. Existe um novo movimento alertando para não ensinar os filhos a compartilhar. Ele tem ganhado força e aceitação pelos pais de crianças pequenas.



“Forçar crianças a compartilhar não ensina as lições que nós queremos que elas aprendam”, diz Dra. Laura Markham, autora do mais recente lançamento “Peaceful Parent, Happy Siblings” (“Pais tranquilos, irmãos felizes”, em português). “Vamos concordar que o objectivo é que nossas crianças cresçam e se tornem pessoas generosas, que sejam capazes de perceber e corresponder com as necessidades dos outros.” Na primeira fase da educação, a criança está aprendendo a ser capaz de reconhecer as próprias obrigações, o que, neste ponto das suas vidas, inclui fazer suas atividades e brincar nos seus círculos sociais. “Nós não queremos que as nossas crianças sintam que devem interromper seu trabalho para ‘dar’ alguma coisa para outra criança só porque ela pediu”, acrescenta a Dra. Markham.

De acordo com ela, em vez de ensinar as crianças a falarem por si mesmas, ensinar a compartilhar, forçando-as, resulta apenas em:

– “Se eu chorar o bastante, eu consigo o que eu quero, mesmo que alguém já tenha pego.”

– “Os pais estão no controle de quando eu posso pegar o brinquedo, então dependendo do coração deles e da minha manha, eu posso simplesmente implorar pela minha vez.”

– “Meu irmão e eu estamos em constante competição para pegar o que nós precisamos. Eu não gosto dele.”

– “Eu acho que eu sou uma pessoa gananciosa, mas é isso que eu preciso ser para ter o que eu mereço.”

– “É melhor eu brincar rápido e de qualquer jeito, mesmo que seja descuidadamente e quebrando tudo, porque não terei este brinquedo por muito tempo.”

– “Eu ganhei! Mas logo vou perder de novo. É melhor eu protestar bem alto quando acabar a minha vez para aproveitar cada minuto que eu tiver. E depois, protestar de novo assim que acabar a vez do meu irmão. Se eu conseguir deixar meu pai ou minha mãe cansados, eu terei mais tempo com o brinquedo.”



 

No lugar de ensinar a compartilhar, ofereça recursos

Então, o que as crianças devem aprender? De acordo com a Dra. Markham, é preciso dar algumas ferramentas para que elas lidem com essas situações. “Nós queremos que nossas crianças PERCEBAM quando a outra quer brincar, e que elas GARANTAM que essa criança vai poder brincar”, diz. “E quando o outro tiver alguma coisa que a criança queira, nós esperamos que ela tenha o controle sobre seus impulsos e não arranque o brinquedo da mão dela, pelo contrário, queremos que ela use suas palavras para entrar em um acordo e poder brincar depois”.

Ao ensinar as crianças a se defender e falar por si mesmas (e não imediatamente compartilhar seus brinquedos), elas não estão esperando que alguém diga quando é a vez delas com o brinquedo e assim, podem brincar mais livremente. “A abordagem convencional, de forçar a criança a compartilhar, enfraquece a habilidade de aproveitar a brincadeira, além de minar a relação com o irmão, criando competição constante”, explica a Dra. Markham. “A criança acaba não absorvendo a experiência da satisfação e nem da generosidade com o outro”.

Então o que os pais e os educadores devem fazer?

“Eu encorajo para que haja uma autorregulação dos turnos com os brinquedos, então, é a criança que decide por quanto tempo brincar e assim, aproveitar completamente. Depois disso, ela pode dar para a outra de coração aberto”, diz a Dra. Markham. Ela acredita que isso ajudará a criança também com a sensação de satisfação por fazer outra pessoa feliz, acabando por ensinar a generosidade. Por sua vez, ela acredita que a experiência mais educativa ensina que:



– “Eu posso pedir o que eu quero. Algumas vezes eu consigo o brinquedo mais rápido e às vezes eu preciso esperar um pouco.”

– “Tudo bem chorar, mas isso não significa que eu vou conseguir o brinquedo.”

– “Eu não consigo tudo o que eu quero, mas eu consigo algo melhor. Meus pais sempre me entendem e ajudam quando fico para baixo.”

– “Depois de chorar, eu me sinto melhor.”

– “Eu posso brincar com outra coisa e aproveitar também. Estou ficando bom em esperar!”

– “Eu não tenho que chorar para convencer meus pais para dar a vez para mim. Todos têm que esperar pela sua vez, mas acabam conseguindo cedo ou tarde.”

– “Eu gosto de quando meu irmão me dá o brinquedo. Eu gosto dele.”

– “Eu posso brincar por quanto tempo eu quiser; ninguém vai me fazer entregá-lo para o meu irmão. Quando eu termino de brincar e dou para ele, me sinto bem por dentro. Eu sou uma pessoa generosa.”

 

No final, o resultado é uma criança paciente, empática e bem preparada para lidar com situações maiores do que essas no futuro.