Mãe enforcou o seu bebé por ódio do pai dele. “Ele gritava mas eu apertei com vontade” afirma.

Mãe enforca bebé por ódio do pai: ‘Ele gritava, mas apertei com vontade’ Mulher disse que criança teria chorado durante estrangulamento. Saiba mais.

O bebé, de apenas dois anos de idade, acabou por morrer enforcado pela própria mãe na cidade de Santa Rita, localizada no interior da capital do estado do Piauí, Teresina.

A mulher, que identificaremos apenas como Joana por questões judiciais, teria confessado o Crime e revelou que usou as próprias mãos para matar a criança.


Vizinhos ouviram os gritos do bebê, mas a mãe confessou que “apertou com vontade” o menor, mesmo ao vê-lo gritar.

A população ainda tentou levar o pequeno para o hospital, mas ele acabou por falecer a caminho da unidade. Moradores do bairro onde o crime chocante aconteceu ficaram muito bravos com o acontecimentos. A polícia precisou ser chamada para conter a população.

De acordo com o pai da vítima, o irmão do menino, de 5 anos, testemunhou o crime. Ele disse que a acusada, mas que a mãe da criança, foi covarde ao matar o filho. Em entrevista a sites locais, o pai do menino disse que a mulher tinha problemas psicológicos e que, por isso, estava em processo de separação, mas que isso é tudo muito complicado na justiça. Joana confirmou que matou o bebé para dar uma lição no pai da criança, que não quer mais ela.

O homem informou que decidiu se afastar da esposa, após ela, mesmo por um motivo torpe, tentado matá-lo. Joana teria batido com uma barra de ferro na cabeça do esposo, que acabou resistindo ao ferimento. No momento em que o crime ocorreu, o homem deixou o bebê em casa vendo televisão. Ao voltar, ele presenciou a esposa gritando desesperada e dizendo que matou o menor, pois ele a havia obrigado.

Em entrevista a um site local, o cabo Salatiel Santiago, da Polícia Militar, revelou a mulher confessou o crime e revelou que assassinou o filho porque ficou inconformada com a o divórcio que estava se encaminhado. Ela ainda teria revelado que toma remédios para tentar controlar supostos problemas mentais. O Conselho Tutelar já trabalha para identificar quem é a melhor pessoa a ficar com a guarda dos outros filhos de Joana.