O PERIGO dos Carrosséis nas Feiras populares e parques de diversões, todo o cuidado é pouco!

1. Abaixo mostra dois incidentes em parques de diversão. No primeiro, uma senhora fica pendurada na roda-gigante e é salva por pessoas que escalaram o brinquedo. Já a segunda história, infelizmente, teve um final trágico. Em 1999, uma menina de 5 anos morreu ao ser projetada para fora do carrossel. A situação mostra a falta de segurança e o despreparo dos responsáveis.

2. Em 2009, no Paraná, dez adolescentes ficaram feridos em um acidente após o brinquedo “Kamikaze” partir-se ao meio. A fatalidade aconteceu quando uma parte se desprendeu do pêndulo e se chocou contra a estrutura onde estavam os jovens. Um adolescente não resistiu aos ferimentos e morreu uma semana depois.


3. Uma senhora de 61 anos morreu ao cair de uma montanha-russa no parque Terra Encantada, no Rio de Janeiro, em junho de 2010. A filha de Heydiaria, que estava junto no momento da queda, diz que elas teriam travado o dispositivo de segurança, mas que ele falhou durante o funcionamento do brinquedo.



4. No extinto parque Playcenter, em São Paulo, dois acidentes aconteceram em menos de 7 meses. Em 2010, o freio de espera de uma das composições da montanha-russa não funcionou, causando o choque entre duas fileiras de carrinhos. No total, 16 pessoas ficaram feridas, sendo a maioria crianças com pouco mais de 10 anos.

5. No ano seguinte, o segundo acidente ocorreu no brinquedo “Double Shock”, que atinge 12 metros de altura, e deixou oito feridos, sendo três em estado grave.



6. A cabine de uma roda-gigante se soltou e caiu de uma altura de cinco metros no Parque Imperial, em Várzea Grande, no Mato Grosso. Os dois adolescentes que estavam nela foram para o hospital em estado grave, mas um deles não resistiu aos ferimentos e morreu. O parque não possuía alvará para funcionamento.



7. O carrinho do brinquedo “Tufão” também se soltou e atingiu uma jovem de 17 que estava comprando bilhetes na bilheteria. Além dela, outra pessoa veio a óbito e seis ficaram feridas. O acidente aconteceu no Parque de Diversões Gloria Center, em Vargem Grande, Rio de Janeiro, 2011.


8. Em 2011, ao menos nove pessoas ficaram feridas quando parte da estrutura do brinquedo “Samba” se rompeu. Em nota, a direção do parque de diversões da Fearg/Fecis, em Rio Grande, disse que o local tinha os laudos técnicos aprovados.


9. Em fevereiro de 2012, Gabriela Nichimura, de apenas 14 anos, morreu ao cair do brinquedo “La Tour Eiffel”, no Parque Hopi Hari, em São Paulo. O elevador, que simula uma queda a 69,5 metros de altura a uma velocidade de até 94 km/h, abriu a trava do assento em que a jovem estava.



A foto tirada antes da fatalidade mostra Gabriela sentada na última cadeira do bloco 3, que, segundo peritos, estava interditada há 10 anos.

10. No início de 2013, uma estudante de 22 anos teve todo o couro cabeludo arrancado ao andar no kart do Parque Beto Carrero World, em Santa Catarina. A jovem ficou seis dias internada na UTI.

11. Uma criança de 3 anos ficou gravemente ferida ao cair do brinquedo “Centopeia”, uma montanha-russa infantil. A garota caiu ao fim da segunda volta, batendo a cabeça no chão. O acidente aconteceu no Yupie Park, em São José dos Campos, São Paulo.

12. Um acidente no Golden Park, em Fortaleza, deixou uma pessoa morta e quatro feridas na noite de 13 de agosto de 2014. O brinquedo “Chaos” girava no ar de cabeça para baixo quando tombou.

Acidentes e cuidados

Veja mais alguns acidentes registrados em parques de diversões:

Janeiro de 2009 – Alexandre Tavares, 10 anos, morreu eletrocutado junto à grade de proteção de um brinquedo no parque de diversões Toy World, em Bangu, Rio de Janeiro.

Dezembro de 2008 – Brayan Alexandre Rosa de França, 18 anos, subiu na plataforma do Barco Pirata com o brinquedo em movimento e foi atingido na cabeça pelo equipamento num parque em Ponta Grossa. Ele ficou nove dias internado e morreu.

Junho de 2008 – Rafael Luís de Freitas Porfírio, 12 anos, morreu num parque de diversões em Campinas, São Paulo, depois de bater a cabeça no Ônibus Espacial.

Maio de 2008 – Julia Vitória Dunhan Braga, 9 anos, prendeu o cabelo num brinquedo conhecido como Gaiola e teve perda do couro cabeludo em um parque no Rio de Janeiro.

Abril de 2008 – Uma criança e um adolescente morreram em dois parques de diversões diferentes. Gustavo Rodolfo Alves, 14 anos, despencou de um escorrega em São Paulo. Um menino de 10 anos morreu ao cair de um brinquedo chamado Elevador em um parque em São Paulo.

Março de 2008 – Quinze pessoas ficaram feridas num parque de diversões em Ribeirão das Neves, região metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais. Elas estavam em um brinquedo que se soltou da base.

Fevereiro de 2008 – O carro da montanha-russa de um parque em Poços de Caldas, Minas Gerais, saiu dos trilhos e deixou três pessoas feridas.

Setembro de 2007 – o estudante Artur Wolf, 15 anos, passou mal no Labirinto, no Hopi Hari, em Vinhedo, São Paulo, e morreu.

Pais devem ficar atentos

Aparência

– Verifique a aparência do parque de diversões. Se a pintura é recente e os equipamentos não estão enferrujados, é bom sinal.



Limitações

– Cheque as informações constantes e as obedeça nos brinquedos. Se há limite de idade, de altura e restrições ao uso por pessoas cardíacas, portadora de uma fobia específica ou gestante.

Adequação

– Confira as condições ergonômicas do brinquedo, se é confortável, compatível com a altura e o peso do participante.