Presidente da Uganda quer proibir algo que todos gostamos: diz que a “boca é para comer”

Museveni é conhecido por suas posições extremamente homofóbicas e chegou a aprovar lei para punir homossexuais com até a prisão perpétua, mas a regra foi anulada.

O presidente da Uganda, Yoweri Museveni, quer proibir a prática de sεxo oral no país africano.

“Deixem-me lançar um aviso público sobre as práticas erradas de que algumas pessoas participam e que são promovidas por alguns estrangeiros. Uma delas é o que chamam sεxo oral”, afirmou Museveni.

“A boca é para comer, não para o sεxo. Nós sabemos qual é o ‘endereço’ do sεxo, sabemos onde é que deve ir”, disse o presidente da Uganda.

Museveni acusou os “estrangeiros” de banalizar a prática, a qual considera “muito errada”. O presidente da Uganda deve promover uma campanha com cartazes e anúncios na TV na tentativa de criminalizar atos sεxuais supostamente condenáveis.


Em 2014, Museveni chegou a aprovar lei que punia até com a prisão perpétua a prática consensual da homossεxualidade. Após pressão da comunidade internacional e ameaça de sanções dos EUA, o Tribunal Constitucional do país anulou a regra em agosto do mesmo ano. Porém, ser gay ainda é crime no país africano.

Naquele ano, o presidente da Uganda já havia dito que o sεxo oral causaria lombrigas e parasitas, algo não comprovado pela ciência. “Você coloca a boca lá e você volta com vermes e eles entram no seu estômago, porque (a boca) é o endereço errado”, afirmou o líder à época.

Aos 73 anos, Yoweri Museveni está no poder na Uganda desde 1986, há mais de três décadas, e aprovou leis que abolem o limite da idade máxima de um presidente. Em 2005 o país aprovou lei que retirava o limite de reeleição permitindo a Museveni permanecer no poder indefinidamente.

No país africano também há pena de morte e falta de liberdade de expressão.

Veja o momento do pronunciamento (em inglês):

O que acha desta lei?