Carta aberta para toda a mulher que esta infeliz com o seu corpo

É hora de ser honesta sobre como nos sentimos em nossa pele.

Você está a caminhar na rua, atravessar a passadeira e de todo você ve uma senhora com o que você acha que é o corpo perfeito. Talvez ela tenha a cintura perfeita ou seus peitos são perfeitamente redondos ou suas pernas, longas e musculadas. Ela passa por você e depois de um momento, tudo o que você pode pensar é: “E se meu estômago fosse como o dela?” ou “E se eu tivesse essas pernas?”

Você acaba por pensar isso e começa a olhar para a sua cintura. Você percebe que tem um pneu quase redondo em vez de uma cintura de pilão. O mundo os chama de “alças de amor”, mas você não encontra nada adorável nesses pneus.

Seus olhos examinam as suas coxas em seguida. Elas não têm espaço entre elas e você pode ver a ligeira protuberância que está a formar de cada lado. Às vezes, você até sente a gordura das coxas contra suas pernas quando você anda e, na maioria das vezes, você repreende-se por se sentir como um hipopótamo.

Você dirige para casa, veste o seu pijama e comece a percorrer seu feed do Facebook ou Instagram. Um belo rosto chega à sua atenção. Algum amigo seu que provavelmente está relaxando em outro país e se parece com uma deusa da vida real. Você sabe, os cílios gigantes e curvos, os lábios perfeitamente cheios e rosados, o biquíni Vogue que ela colocou e, claro, a visão da praia por excelência, oh-tão azul, no fundo. Então, começa de novo, a questão do pensamento sobre o porquê do seu corpo não é tão bonito quanto o delas.

O que você precisa para se sentir bonito? Você deve se inscrever no ginásio? Você deve reduzir as refeições de pizza e passar a comer brócolos cozidos? Você deve morrer de fome durante algumas horas todos os dias?

Só assim iria se sentir “gostosa” com aquele biquíni que você comprou há anos atrás, mas é muito consciente para o usar, porque você tem certeza de que os seus pneus vão arruiná-lo?

PARE. É hora de parar essa trilha de pensamento. Porque somos mulheres REAIS com corpos REAIS. Nós não somos manequins cortados para parecer uns aos outros e este não é outro anúncio Dove. Ninguém está a dizer para se forçar a amar seu corpo. Ninguém está a pedir que você o aceite incondicionalmente quando, na realidade, odeia isso.

Não, tudo o que pedimos é que você considere o seguinte: o que você pode fazer para mudar a maneira como você se sente sobre seu corpo? Como você pode desassociar a vergonha por ter uma parte superior de muffin ou coxas e braços flácidos? Como você pode aceitar seu corpo pelo que é e, pelo menos, começar a estar em paz com ele,com ou sem celulite?

Como ninguém compartilha o seu DNA, ninguém tem o mesmo corpo que você. Claro, nós temos tipos genéricos de corpo, mas eles também são muito limitantes em sua categorização. Somente você pode decidir como você quer sentir sobre seu corpo.

Não gosta da gordura nas coxas? Não gostam desses braços flacidos? Não gosta desse pneu na barriga? Pergunte-se por quê? É porque você não se sente bem na sua pele com toda essa gordura ou porque lhe disseram que, a menos que você seja só ossos, nenhum homem vai querer você, ou vai amá-la? É porque você quer ser apto e forte ou porque todos esses anúncios na TV mostram isso, a menos que você não tenha esse estômago perfeito, você não é bonito?

Tudo o que você achar na reflexão, não se julgue por isso. Está certo não amar seu corpo hoje. Está certo não gostar disso como é agora. Mas você pode mudar o que você sente sobre isso. Lentamente, dia a dia.

Como? Por pequenos atos de cuidados. Ao mudar a maneira como você trata seu corpo. Não puni-lo com dietas aleatórias, mas mesmo sendo consciente do que você come. Isso não significa que você oferece um adeus para donuts. Não. Significa apenas que os donuts não são sua refeição.

Mova-se, faça uma aula de ioga. Porque conectar-se com a energia do seu corpo também é uma grande parte de amar a si mesmo. Mas lembre-se, você é uma mulher real e você não precisa estar em guerra consigo mesma por ter um corpo real.