Na costa do Algarve e de Andaluzia estão a encontrar um “ser” estranho. Veja o que é…

Nas costas da andaluzia e do Algarve, estão a encontrar um “ser” estranho.

Parece plástico, mas na realidade são seres vivos. As salpas são invertebrados gelatinosos inofensivos, que também podem ser confundidos com água-viva, mas que não são. Este fim de semana eles inundaram as praias do Axarquía, especialmente na área de Nerja e Torrox, embora eles também chegaram à costa da costa de Granada. Os banhistas fotografaram e penduraram nas redes sociais, gerando uma agitação.

No entanto, da Sala de Aula do Mar de Málaga pediram calma, alertando que é um fenômeno natural. «Eles são da família dos tunicados chamado salpa fusiformis (Maggiore salpa).. Eles se deixam levar pelas correntes e, de maneira natural, às vezes se concentram em certas praias “, disse o biólogo Juan Jesús Martín. Uma das razões para o sucesso das salpas é como elas reagem à abundância repentina de fitoplâncton. Quando há muita comida, os salps rapidamente produzem clones, que coletam fitoplâncton e podem crescer a uma taxa que é provavelmente mais rápida do que a de qualquer outro animal multicelular, eliminando rapidamente o fitoplâncton do mar.
Alimentam-se de fitoplâncton, proporcionado neste caso por algas.

Não são urticantes nem perigosos, formam colónias e são hermafroditas.

As suas colónias com capazes de capturar 4000 TN DE Co2 todas as noites e assim evitar que chegue à atmosfera e à camada superior dos oceanos.

Eles estão a limpar constantemente o nosso ar. Por isso não lhes faça mal.

Eles são inofensivos.