Nova Zelândia paga viagem e estadia se lá tiver uma entrevista de emprego!

Queres umas férias grátis na Nova Zelândia?

Nova Zelândia é a terra do surf, cerveja surpreendente do ofício e paisagens incríveis.

Em uma tentativa de atrair pessoas inteligentes para a cidade de Wellington, o país está a oferecer aos desenvolvedores de software, diretores criativos, gerentes de produto e analistas de sistemas e programadores a “viagem de uma vida”.

Em troca de vôos gratuitos e alojamento, todos os candidatos a emprego devem fazer é comparecer a quatro dias de entrevistas de emprego pré-arranjado e encontros por uma semana em maio.

Com mais de 500 vagas de trabalho abertas na área de tecnologia da informação, a agência de desenvolvimento econômico da capital da Nova Zelândia, Wellington, decidiu garimpar o mundo em busca de profissionais.

Esse é o principal objetivo da recém-lançada campanha LookSee Wellington, uma iniciativa inédita que pretende atrair 100 profissionais de TI de qualquer país do planeta.

Os profissionais selecionados terão todas as despesas de viagem e acomodação pagas para passarem cinco dias na cidade participando de entrevistas de emprego. Como o próprio nome da campanha (LookSee: procurar e ver, na tradução literal) sugere, a ideia é que as pessoas tenham a chance de conhecer a cidade e suas oportunidades para ajudar na tomada de decisão sobre se mudar para Wellington.
[adinserter block=”8″]
“Faltam pessoas de qualidade para trabalhar nessa área. A ideia é atrair os cérebros mais incríveis do mundo para Wellington”, disse Brook Pannell, gerente da Wellington Regional Economic Development Agency (WREDA) a EXAME.com.

De acordo com ele, já são 30 empresas inscritas e o foco são o desenvolvedores de software altamente qualificados e que tenham interesse em trabalhar na capital da Nova Zelândia. “Não se trata de um programa para recém-formados, buscamos profissionais mais experientes”, diz Pannel.

Wellington é a terra natal de empresas renomadas com forte apelo tecnológico como, por exemplo, a Weta Digital, uma das principais empresas de efeitos visuais do mundo, Datacom, especializada em sistemas de TI, e ainda a Xero, consultoria de contabilidade, além de centenas de startups.

Mas, apesar de ser a capital neozelandesa, a cidade que tem 400 mil habitantes, conserva um clima bem mais intimista do que a maior metrópole do país, Auckland, conhecida por ser o centro financeiro e de negócios da Nova Zelândia. Em todo país, há 4 milhões de habitantes.

Qualquer empresa de tecnologia baseada em Wellington pode sinalizar o interesse em fazer parte da campanha. “As companhias só terão que arcar com custos se contratarem, de fato, algum profissional”, explica Pannel. E, ainda assim, empregadores vão gastar menos do que gastariam caso recorressem aos serviços de uma consultoria de recrutamento, de acordo com ele.

Como participar

[adinserter block=”11″]
As inscrições estão abertas e podem ser feitas pelo site da campanha. As empresas participantes vão indicar os currículos dos candidatos que mais chamarem sua atenção, com a ajuda da agência de recrutamento, Workhere New Zealand, que também é responsável pela campanha, ao lado da WREDA.

Aqueles que receberem o maior número de indicações serão os selecionados para as entrevistas presenciais em Wellington, programadas para o mês de maio, quando também ocorre a semana de tecnologia, a TechWeek’17, o que vai permitir que os participantes saibam ainda mais sobre o mercado de trabalho em TI e suas principais tendências.

Com média salarial anual de 61 mil dólares neozelandeses em 2016, o que equivale a mais de 50 mil euros, desenvolvimento de software é uma das carreiras com maior demanda de toda Nova Zelândia, segundo informações oficiais do Ministério de Negócios, Inovação e Emprego do país.

Para se ter uma ideia o número de vagas para esses profissionais dobrou entre 2006 e 2013, saltando de pouco mais de 2 mil para 4 mil. A projeção de crescimento na quantidade de oportunidades profissionais é de 5,2% por ano até 2020 e de 4,2%, também por ano, até 2025, quando espera-se que haja mais 7 mil postos de trabalho.

Além de desenvolvimento de software, há uma série de outras ocupações com grande necessidade de profissionais na área, segundo o ministério. Especialistas multimídia, desenvolvedores web, analistas de programação, engenheiros de software e engenheiros de sistemas de informação também têm boas chances de empregabilidade no país.