Paciente é abusada nas Urgências, morre dias depois e câmaras confirmaram a sua história

(Última atualização em: 17 Junho, 2019)

Um técnico de enfermagem do Hospital Goiânia Leste, na capital de Goiás, é suspeito de abusar de uma paciente de 21 anos que estava internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Ela acabou por morrer dias depois.

Estudante de Arquitetura, ela deu entrada no dia 16 de maio com crises convulsivas. Devido a esse problema de saúde, ela foi parcialmente sedada.
E posteriormente abusada pelo técnico casado e com filhos.

Porem antes de morrer num momento de lucidez, ela contou a uma enfermeira que tinha sido abusada e indicou quem foi o abusador.

O boletim de ocorrência foi registado no dia 21 e ela morreu no domingo seguinte. A autopsia comprovou que tinha sofrido abuso enquanto esteve internada.

De acordo com o boletim, o suspeito foi questionado sobre os abusos e sugeriu que olhassem as câmaras de segurança do hospital. Ele garantia que não tinha feito nada, além do “procedimento padrão”.

A frieza do suspeito impressiona já que as imagens teriam comprovado o abuso.
De acordo com a diretora da UTI, o técnico de enfermagem foi demitido.
Ele trabalhava nesse hospital à mais de um ano e nunca tinha sido alvo de nenhuma denúncia.
Em nota, o hospital informou que “a causa da morte da paciente, em 26/05/2019, não possui qualquer relação com os tristes fatos ocorridos”.

O caso está a ser investigado em sigilo. “A gente não está comentando para não atrapalhar”, disse a delegada Paula Meotti, da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam).

Na quarta-feira (29) pela manhã o suspeito se entregou à polícia.
Segundo a defesa, isso não foi feito antes porque ele temia pela segurança da família – esposa e filhos pequenos.
A defesa alega ainda que não teve acesso às imagens das câmaras internas da UTI.

Infelizmente nem num sitio que as deve ajudar e proteger as mulheres estão seguras. Até quando vamos permitir estes abusos como raiz da sociedade?