“Vidente de Fátima” escapa impune de crime de burla

Mais uma vergonha do sistema jurídico em Portugal onde ladrões e corruptos são absolvidos dos piores crimes.

Neste caso o chamado “vidente” Carlos Marques, conhecido como o “Vidente de Fátima” e “Irmão Carlos Gabriel”, foi absolvido pelo Tribunal de Ovar do crime de burla. As provas não foram suficientes para convencer o tribunal de uma possível “conduta enganosa” do arguido.

Homem com esclerose múltipla, desesperado, recorreu ao “vidente de Fátima” para ajudar neste difícil momento da sua vida.

Vidente diz ao homem que não tem esclerose múltipla, “Que tinha era uma grande maldição e que a minha filha e família iriam também sofrer”. Ou seja, Vidente usa o medo como arma contra o cliente.

Homem deixa 4.000 euros(!!!) para ser ajudado pelo Vidente. Obviamente que fica na mesma.

E que depois de pagar os quatro mil euros que tinham sido acordados com o “Vidente de Fátima”, o vidente começou a trata-lo com má intenção e com “maus modos” e mais tarde nunca mais atendeu o telemóvel e nem consegui contactar com ele no consultório.

Posteriormente o doente decide processar o Vidente por falta de resultados e por se sentir enganado.

Infelizmente como em Portugal a burla é um negocio legitimo o vidente acabou por ganhar a acção judicial.

A juíza declarou “não foram provados factos essenciais que sustentavam o crime de burla” e que, “não ficou provado que o arguido tivesse (…) uma conduta enganosa”.

A existência deste individuo é enganosa.

Pedro Teixeira, o advogado do “Vidente de Fátima”, afirmou que estava “bastante satisfeito” pela absolvição do seu cliente. E que “O tribunal soube distinguir de uma forma exemplar o plano da espiritualidade, da fé que cada um pode ter, do mundo jurídico”.

O vidente alegou em julgamento que nunca prometeu curar o queixoso. “O que tinha combinado era acompanhamento humano, nunca prometo milagres. Aqui não há milagres, não existem milagres”.(fica já a dica para quem no futuro se lembrar de contactar este vidente)

Agora digam-me, até quando vamos aceitar que a burla seja um negócio autorizado pelo Estado e validado em tribunal.

O que está a dar na verdade é ser vidente e tratar doenças imaginárias como “caspa no fígado”.

Pessoas como ele que enganam pessoas desesperadas com doenças reais, não deviam existir sequer.

Partilhe e comente este homem tem de ser conhecido pelo mundo para que não tenha nem mais um cliente na vida e não engane mais ninguém.